HUMANOS DIREITOS HUMANOS: Delara Darabi foi enforcada.

Publicado: 3 maio, 2009 em Uncategorized

Uma mensagem a todos os membros de HUMANOS DIREITOS HUMANOS
(Uma comunidade no NING.COM, da qual você pode participar e que conta com um grupo LGTB)

Delara Darabi foi enforcada no dia 1° de Maio

O último diálogo de Delara Darabi, 23 anos, foi com a mãe.
Ocorreu na sexta-feira de manhã. Poucos minutos antes dela ser enforcada na prisão iraniana de Rasht. A jovem pintora, — que negou ter matado a vítima e tinha a seu favor prova pericial a revelar que uma canhota não poderia ter sido a autora dos golpes mortais–, recebeu autorização para ligar para a sua mãe, pouco antes de subir ao patíbulo. O telefonema era para poder se despedir da genitora, pois seria enforcada, segundo informou-lhe um dos carrascos. Ao atender a chamada telefônica a mãe ouviu a voz desesperada da filha: – “Estão para me matar agora. Por favor me ajude. Fale a eles para não fazerem isso”. Ao terminar a frase, a mãe pode perceber que o telefone foi arrancado da filha. Na seqüência, o carrasco da sua filha avisou à atordoada mãe: – “ Mataremos a tua filha agora. Não existe mais nada que possa fazer para impedir”. Depois disso, o telefone foi desligado. As autoridades iranianas tinham suspendido a execução da pena capital por dois meses: o enforcamento fora suspenso em 20 de abril passado. Puro engodo.Passados dez dias, ocorreu o “homicídio-legal”, ou seja, quando o próprio Estado mata uma pessoa. O advogado Maohammad Mostafei, — que também defende a jornalista Roxana Saberi (confira post de quinta-feira passada)–, protestou por não ter sido informado sobre a execução. Frisou, também, não ter a família sido avisada. Pano Rápido. Seguindo outros países como EUA, Israel e China,a República Islâmica do Irã  negou-se, em Assembléia Geral das Nações Unidas, a assinar uma moratória sobre a pena de morte. Pela moratória, toda a execução de pena capital ficaria suspensa até que os estados-membros da ONU deliberassem, por meio de convenção, a respeito do tema. –Wálter Fanganiello Maierovitch–

Visite HUMANOS DIREITOS HUMANOS em: http://direitoshumanos.ning.com

Delara Darabi, 23 anos, foi enforcada pela República Islâmica do Irã

Delara Darabi, 23 anos de idade.

Delara Darabi, 23 anos de idade.

Hoje, no período da manhã, Delara Darabi, pintora iraniana de 23 anos de idade, foi executada na prisão de Rasht (Irã).
Ninguém esperava, pois a pena capital, segundo noticiaram as autoridades iranianas, estava suspensa por dois meses: a execução marcada para 20 de abril passado havia sido suspensa em razão de pressões internacionais e possibilidade de acordo indenizatório com familiares da vítima (forma de extinção da pena de morte).

A filha da vítima, Hayedeh Amir-Eftekhari, negou-se a perdoar Delara Darabi: a vítima tinha cinco filhas e Hayedeh era a única a não aceitar trocar a pena capital por sanção indenizatória. O governo, por seu turno, não concedeu a clemência a Delara Darabi e nem converteu a pena capital em pena de prisão.  

O certo é que a pena capital foi suspensa por apenas dez dias. Seguramente para baixar a pressão internacional e evitar fosse o presidente Ahmadinejad hostilizado no discurso de abertura da Conferência da ONU sobre racismo, ocorrida na semana que se seguiu à suspensão da pena capital.

Nem a sexta-feira, –dia  sagrado para os islâmicos xiitas–, evitou a barbárie, ou seja, a  efetivação de um homícidio-legal (praticado pelo Estado).

A morte de Delara foi confirmada , também, pelo sítio de internet do Iran Human Rights.

Não se tem, ainda, detalhes sobre a forma de execução. Estava previsto, quando ocorreu a suspensão, o enforcamento em local público. E o corpo pendurado em guindaste ficaria em exposição, como sempre acontece.

A pintora Delara Darabi , –frise-se 23 anos de idade–, negou em juízo ter sido autora do crime de homicídio (confira retrospectiva abaixo). A sua negativa foi confirmada por oficial prova pericial (confira retrospectiva abaixo): tecnicamente, não poderia ter atingido a vítima.

Quando da consumação do crime ela tinha 17 anos de idade, ou seja, era criminalmente responsável pela lei iraniana..

Pano Rápido. Nos próximos dias desembarcará no Brasil, a convite do nosso presidente Lula, o assassino presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad: ele tenta ser reeleito, em pleito marcado para junho próximo.

Depois da China, o Irã é o país que mais impõe e executa penas de morte: confira retrospectiva abaixo.

Recomenda-se ao presidente Lula não apertar as mãos sujas de sangue de Ahmadinejad. A suspensão da execução da pena capital imposta a Delara Darabi foi uma farsa.

–Wálter Fanganiello Maierovitch– 
………………………

DELARA DARABI VÍTIMA
DE HOMICÍDIO LEGAL

vôima de homicäio legal

…………………………………

O presidente do país Ahmadinejad, no centro.

Ahmadinejad, no centro.

Ele estava aqui com o nosso Presidente. 

Será que Lula pediu clemência?

 

Posted via email from GLSSITE.NET

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s