Ele é ator (passivo) de filmes gays, é hétero e é da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD)

Publicado: 29 outubro, 2008 em Uncategorized

(se eu contasse, algumas acreditariam até em conto da carochinha, mas nem tanto)
 
 
 
Alexandre e Sibele, o pornô e a patroa

Pastor evangélico da Igreja Universal do Reino de Deus, de paletó e Bíblia na mão, Alexandre Senna subia nos púlpitos dos templos e adentrava as celas dos presídios para pregar a palavra de Deus e prestar seu testemunho de pecador arrependido. Nessa época, o espírito ia bem, mas os bicos como motoboy e pedreiro não rendiam o bastante para alimentar a carne. O jeito foi botar a carne para trabalhar.

— Vou ter que voltar a fazer pornô — disse para a esposa, a dona-de-casa Sibele Trindade, com quem tem um casal de filhos pequenos.

— Se tiver que fazer, que continua a ser com homem — foi a condição imposta pela mulher, no final de 2005.

Foi assim que o pastor deixou as Escrituras de lado para voltar a atuar como astro do pornô gay — sempre na posição passiva, como Alexandre gosta de salientar.

"Já fiz cena de dupla penetração anal como passivo. Mas sou hétero."

Três anos depois, abraçada ao marido num evento da indústria pornográfica, Sibele, uma morena bonita, tímida e pequena de 27 anos, que em toda sua vida viu apenas um filme de sexo explícito, comenta os dilemas da sua relação:

— Eu não gosto do trabalho dele. Mas, já que ele tem que trabalhar, prefiro que faça um filme gay, porque sei que com homem ele não tem prazer. Com mulher ia ser diferente.

Daí Alexandre se apresentar como "o único ator heterossexual especializado em cenas de pornô gay passivo". Com 27 anos de idade e oito de carreira, ele já foi penetrado em mais de 500 filmes realizados por cerca de 40 empresas (brasileiras, americanas e européias). Com o orgulho de um atleta gabando-se de um recorde olímpico, ele dá exemplos do seu talento franciscano para dar e receber:

— No filme "The King House", eu faço uma cena de dupla penetração anal com dois caras superdotados [ele não está falando de inteligência, galera]. Sempre passivo. Um cara tinha uma jeba de 22 centímetros e o outro tinha 24. Também já sentei num cone de trânsito até a metade.

— E você diz que é hétero? — pergunto, revelando a minha visão simplória de rapaz de São José do Rio Pardo.

— Eu sou hétero! — reage, muito macho.

— Explica isso! — peço.

— Eu sou ator, cara. O ator encara aquilo que lhe é encomendado. É que nem o Rodrigo Santoro. Ele não fez um travesti? Quando você tem prazer de atuar de verdade e é bom em determinado papel, você vai trabalhar em cima disso. Eu sou bom no passivo.

"Eu sou exibicionista. Sinto tesão quando a câmera liga."

Minha criação simplória de caipira não me preparou para lidar com questões tão complexas. Então, é tudo uma questão de habilidade artística, não de orientação sexual? É isso aí, e mais um minúsculo detalhe:

Para trabalhar como ativo, o dote não ajuda muito — diz Alexandre. Seu pênis tem 13 centímetros: um tamanho normal para o padrão médio brasileiro, de 14 centímetros, mas uma estatura liliputiana para as convenções do pornô.

Mesmo entre os atores pornôs, há quem faça piada com a história de Alexandre garantir que é muito macho mesmo após encarar vários ataques coordenados à sua porta dos fundos. O ator não liga. Ele afirma que sente prazer, sim, mas não com a penetração, e sim com a filmagem.

— Eu sou exibicionista. Sinto tesão quando a câmera liga. O exibicionista não tem prazer na relação sexual. O prazer do exibicionista vem de ser observado e das pessoas admirarem aquilo que ele faz.

Foi o desejo exibicionista que levou Alexandre a entrar para o pornô, em 2000. Quando conheceu Sibele, dois anos depois, tentou esconder sua profissão da namorada. Disse que era go-go boy, mas não a convenceu.

— Eu o apertei e ele me contou, chorando, que era ator pornô. Eu disse que não queria isso para ele — relembra a moça.

Mesmo sem apreciar a profissão do namorado, Sibele se casou com Alexandre um mês após terem se conhecido. Hoje, o filho mais velho do casal tem cinco anos, e a caçula, três. Sempre que o garoto pergunta o que seu pai faz, Alexandre responde:

— O papai é policial.

Um ano após o casamento, a pressão de Sibele levou o astro a abandonar o mundo da sacanagem filmada, para o qual retornou três anos depois, quando ficou claro que Alexandre não conseguiria ganhar o mesmo dinheiro com outros empregos.

Mesmo sem morrer de amores pela profissão do pai de seus filhos, Sibele sempre assiste aos shows de sexo explícito gay que Alexandre apresenta em boates GLS e, segundo conhecidos, até já dá alguns palpites para aprimorar sua performance. Das centenas de filmes de Alexandre, ela só viu viu um e não precisou de mais.

— Não gosto de filme pornô. Não vejo graça — suspira. — Eu quero que ele largue dessa vida.

A pornografia divide o casal. Alexandre diz que abandonaria o sexo explícito se pudesse ganhar dinheiro de outro modo, mas apenas para agradar à patroa.

— Eu largaria o pornô, mas só por causa da minha esposa. Na verdade, gosto daquilo que faço e faço aquilo que gosto. É uma profissão normal como qualquer outra.

Fonte: http://botecosujo.blogspot.com/2008/10/alexandre-e-sibele-o-porn-e-patroa.html

Fonte 2: http://lecttio.blogspot.com/2008/10/o-que-nascido-da-carne-carne.html

Roberto Warken
http://warken.posterous.com

SOCIAL NETWORK FREE THAT PAYS
If you have: Discipline, Determination, Seriousness, and a connection to the Internet. I will help you!
http://incomeforlife.synthasite.com
http://zenzuu.com/bobtheteacher
http://incomeforyourlife.multiply.com/

Posted by email from Roberto Warken (posterous)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s