UNE fará campanha para legalizar aborto

Publicado: 20 agosto, 2007 em Uncategorized

UNE fará campanha para legalizar aborto

DANIELA TÓFOLI
da Folha de S.Paulo
 
No comando da UNE (União Nacional dos Estudantes) desde o mês passado, mas oficialmente empossada ontem, Lúcia Stumpf, 25, aluna do sétimo semestre de jornalismo da Fiam, em São Paulo, quer levantar discussões que vão além da esfera estudantil. Seu primeiro projeto é lançar uma campanha pela descriminalização do aborto e fazer plebiscitos nas universidades. As ações, afirma, começam neste semestre.
 
“Estamos organizando uma grande campanha nas universidades sobre a necessidade de descriminalizar o aborto no Brasil. A UNE tem de fazer uma discussão sobre isso porque é uma realidade que a gente vive”, diz. Para ela, a entidade tem o dever de dar início ao debate e encaminhá-lo ao governo. “Estamos preparando o material e pensamos em fazer um plebiscito sobre o tema dentro das universidades.”
 
Bonita, estilo patricinha e fã de punk rock, a primeira mulher a assumir a entidade em 15 anos diz que faria um aborto “sem nenhuma dúvida” e está preocupada com questões que se referem às condições de estudos das mulheres.
 
“Em 70 anos de UNE, houve 50 presidentes homens e apenas quatro mulheres. Acho que isso mostra que mesmo a universidade e o movimento estudantil reproduzem muito do machismo que existe na sociedade brasileira.”
 
Lúcia já marcou, para a semana que vai de 20 a 24 deste mês, o início do que chama de “jornada de luta”: passeatas e invasões a reitorias para pressionar o governo a regulamentar o ensino privado e a melhorar o orçamento das universidades públicas. No dia 22, uma passeata unificada com movimentos sociais espera tomar conta de todo o país.
 
“Queremos o aumento de R$ 200 milhões para as instituições federais para que sejam gastos apenas em assistência estudantil, como moradia, restaurantes e creches”, diz. “Hoje a estudante que engravida é penalizada, é obrigada a abandonar os estudos porque é impossível conciliar a maternidade com a sala de aula.”
 
Filiada ao PC do B há oito anos, filha de médicos e namorando há dois anos, a nova presidente fazia faculdade em Porto Alegre (RS) antes de vir a São Paulo por causa do movimento estudantil, mas diz não querer seguir carreira política.
 
Lúcia foi eleita sem ter tido concorrentes e encara as invasões como uma das principais armas dos estudantes. “Invasão de reitoria é uma forma de pressão que temos e não descartamos ocupações em agosto, tanto em universidades públicas quanto em particulares.”
 
Lúcia afirma que a principal luta da entidade hoje é nas universidades particulares. “Como 70% dos estudantes estão lá, e ainda não conseguimos inverter essa situação, temos de atendê-los. A maior parte da nossa base está na particular e é quem mais sofre com a má condição de ensino.”
 
Assistência estudantil
 
Na tentativa de atender a reivindicação da UNE, que pede R$ 200 milhões para assistência estudantil nas universidades federais, Secretaria de Educação Superior do MEC divulgou, na sexta-feira da semana passada, que já está em fase de conclusão o Plano Nacional de Assistência Estudantil.
 
Pelo projeto, feito com a participação dos reitores das federais, os recursos previstos serão de 10% do orçamento das universidades –representarão, para 2008, mais de R$ 120 milhões. O valor é superior ao dobro dos investimentos deste ano (cerca de R$ 50 milhões). Assim, o MEC espera manter um diálogo com o movimento estudantil.

__._,_.___

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s